quarta-feira, 21 de abril de 2010

Soneto para um Amor Perdido

Ah! Como as folhas caducas do outono,
caem tristemente com sua beleza fria.
Assim se foi, durante meu pesado sono
Quem movia minha vida e me dava alegria.

A viagem sem volta que você fez,
Saudade distante, sofrimento mórbido.
Sei que não durará apenas um mês,
Mas sim todo o sempre, vida sem sentido.

Fique onde está, não volte agora!
Não aguentaria lhe ter mais um segundo,
Sabendo que você novamente iria embora.

Como gostaria de procurar-te pelo mundo,
E ir de encontro ao seu corpo, só por uma hora
Mas sei que não voltará, em meu pranto profundo.

5 comentários:

Helena W. Brandão disse...

lindo e triste!

30 e poucos anos. disse...

Dores de saudade são ótimas para mostrar que temos q manter o rumo e deixar o passado.
Lindo poema

Laura Ribeiro disse...

Linda poesia!
E o layout do seu blog também, maravilhoso!

V_ Leal disse...

Tem sofrimento q. não é mórbido?rs
Como canta Calcanhotto: ah se eu fosse marinheiro, era eu quem tinha partido!

indivídua disse...

tristes são os fins...

Postar um comentário