quarta-feira, 5 de maio de 2010

Despedida

Al
mejar
cançar
tivez
ternar
terar
oprar
ucinar

Destituir-se do padrão.
Adeus, sanidade.

12 comentários:

pablorochapoesias.com disse...

Excelente, caro poeta! Gsto muito da poesia minimalista e vc conseguiu criá-la com maestria, dotada de significados poéticos!

Abraço!

Juan Moravagine Carneiro disse...

Belo caos organizado este rapaz!

Abraço

indivídua disse...

deu adeus à sanidade? então seja bem vindo ao mundo real...

http://celuliteseoutrasestranhezasdemulher.blogspot.com/

Cristiano Contreiras disse...

Ou seria um encontro com a sanidade?

Helena W. Brandão disse...

Ó
T
I
M
O
!

gostei da imagem do poema.

Beijos!

Nathalie disse...

Já perdi minha sanidade há algum tempo...

Mate seu professor comigo.com disse...

Te indiquei para o Prêmio Dardos. Para mais informações, acesse:
http://mateseuprofessor.blogspot.com/2010/05/premio-dardos-obrigadapor-me-dar-um_07.html#links

V_ Leal disse...

pra toda partida um caminho d volta.

Vanessa Souza Moraes disse...

Adoro Radiohead.

Padrões são chatos.
Cada ser é singular.

Lara Amaral disse...

Vi seu comentário lá no Diálogos Poéticos e vim conhecer seu blog. Gostei muito dos poemas que li, parabéns!

Abraço.

Ígor Andrade disse...

A despedida faz parte, mano. Abraço!

Lilian disse...

Amei o jogo de palavras...
Tô seguindo :)
Beijo.

Postar um comentário