terça-feira, 11 de maio de 2010

Sobre o Amor I

Solte o seu amor,
O mundo é vasto, querida.
Deixe-o voar para bem longe,
Respirar e explorar seus horizontes.

Solte o seu amor,
Pois ele também precisa respirar, querido.
Uma jaula entristece o pássaro
Que anseia pela liberdade.

Percorre os limites das ideias,
Do espaço de nossos corações.
O amor verdadeiro, quando livre,
Busca aconchego em seu ninho.

9 comentários:

Juan Moravagine Carneiro disse...

Complicado meu caro é quando mesmo sabendo que a jaula está aberta temos medo de saír e voar...ainda mais complicado é quando pisamos em nosso próprio canto como já nos dizia o poeta...

abraço

Michelle Crístal disse...

Daniel lindo seu blog, já estou te seguindo, amo como amo o amor, lembrei de Pessoa!

Vanessa Souza Moraes disse...

"O problema com o amor, como quase todos os substantativos abstractos, é que para o definir é preciso sentí-lo, e nessa altura estamos demasiado ocupados para pensar".

(A instrução dos amantes, Inês Pedrosa, p. 197)

pablorochapoesias.com disse...

O amor quando perde as asas, sufoca! Belo diálogo poético, meu caro Daniel!

Abraços!

indivídua disse...

o problema de soltar o amor é que ele ocupará cada canto do teu corpo, terminando por te sufocar...

Vanda Ferreira disse...

Daniel estou encantada com o seu blog. Eu não consigo soltar o meu amor, porque ele já faz parte do meu organismo rsrsrs.

Estou te seguindo!

Vanda Ferreira: http://vanda-ferreira.blogspot.com/

Nathalie disse...

Falou tudo...
Ah, o amor...
Há muito dele dentro de mim. :)

Lilian disse...

O amor é livre...
Tô seguindo.
Beijo.

Ronan Augusto disse...

apesar do ciume não podemos prender quem nós amamos, isso entristeceria a pessoa, e ela já não seria mais tão feliz ao nosso lado, mas se a deixar-mos livres, ela sempre estara conosco, pois sabera que em nós ela encontra seu abrigo.

seu poema disse tudo.

Postar um comentário