sexta-feira, 30 de julho de 2010

Solidão

Paira sobre mim, louca amante,
Sempre tão presente.
Beije meus lábios na escuridão,
Quando ninguém estiver vendo,
Ó, tenra companheira!
Do teu amor não desconfio,
E entrego-me de corpo e alma
Minha doce solidão.