sábado, 31 de dezembro de 2011

Temporar

É hora de seguir em frente, 
Já que não há medidas capazes
De lidar com o que vem de dentro.
O tempo, esse que pode ser nosso algoz
Ao mesmo tempo nos acolhe.
Não com o simples mover dos ponteiros;
Mas assim como o ventar
 Farfalha a menor das folhas.
O temporar dá movimento 
E dita a nova batida do coração.

quinta-feira, 3 de novembro de 2011

Sobre Bares e Amor

Meus olhos marejados de cerveja
Entoam os últimos versos
de uma música sem fim.
É assim no amor,
O encontro fadado ao desencontro.